Enem

É preciso se posicionar! Saiba como fazer a tese da redação do Enem

Por Mariana Bortoletti   | 

 Tag: Enem

Você sabe o que significa a tese da redação do Enem? Ela nada mais é do que a ideia que você defenderá ao logo do texto. 

Neste artigo, você confere um apanhado sobre o que é a tese da redação do Enem, quais são os tipos, exemplos a serem seguidos e dicas de como construir uma tese nota 1000. 

Você vai conferir:

O que é a tese da redação?
Os tipos de teses da redação
Como escrever a tese na redação do Enem
Por que a tese da redação é importante no Enem
Exemplos de teses de redações nota 1000 do Enem
Conclusão

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

O que é a tese da redação? 

A redação do Enem segue o modelo dissertativo-argumentativo. 

E para escrever um texto neste modelo, é necessário que você apresente uma proposta de intervenção e também argumentos que sustentem essa proposta. 

Porém, antes de determinar quais argumentos serão utilizados e qual proposta deverá ser apresentada, você precisa ter uma tese da redação. 

De maneira geral, uma tese é uma hipótese que você cria para ser testada e experimentada. 

No Enem, a tese da redação representa sua opinião enquanto candidato, algo em que você acredita e defenderá ao longo do texto usando argumentos para, por fim, propor uma solução. 

Por exemplo, confira o primeiro parágrafo da redação nota 1000 da candidata Giovanna Gamba Dias, de Pernambuco.

giovanna gamba dias redacao nota 1000

Em sua obra “Os Retirantes”, o artista expressionista Cândido Portinari faz uma denúncia à condição de desigualdade compartilhada por milhões de brasileiros, os quais, vulneráveis socioeconomicamente, são invisibilizados enquanto cidadãos. A crítica de Portinari continua válida nos dias atuais, mesmo décadas após a pintura ter sido feita, como se pode notar a partir do alto índice de brasileiros que não possuem registro civil de nascimento, fator que os invisibiliza. Com base nesse viés, é fundamental discutir a principal razão para a posse do documento promover a cidadania, bem como o principal entrave que impede que tantas pessoas não se registrem. 

Logo no primeiro parágrafo, a candidata apresenta sua tese para o motivo de muitas pessoas ainda não serem vistas como cidadãs e não conseguirem emitir seus documentos: a desigualdade social. 

Ao longo do texto, a candidata reforça essa tese com dois argumentos, a falta de sentimento de pertencimento que o brasileiro tem e o perfil da educação brasileira que favorece a criação de mão de obra e não de cidadãos pensantes. 

Na conclusão, a candidata traz sua proposta de intervenção na forma de políticas de instrução da população a cerca de seus direitos. 

Embora não esteja explícita em todos os momentos, podemos entender como os argumentos se relacionam com a desigualdade social, a tese da redação de Giovanna, e com a proposta de intervenção, que busca acesso mais fácil à cidadania para todos. 

Os tipos de teses da redação 

De acordo com o Prof. Eduardo Zenon em entrevista ao Quero Bolsa, existem dois tipos de tese da redação, a síntese e a causa e consequência. 

  • Tese por síntese: este tipo seria composto por dois problemas desenvolvidos na argumentação. No exemplo que demos acima, a candidata utilizou esta tipologia. Ela tinha uma tese e seus argumentos eram dois problemas causados por essa tese. A candidata desenvolveu os dois e propôs uma intervenção que os solucionava. 
  • Tese por causa e consequência: já este tipo de tese apresenta um problema e uma consequência, ou efeito, que esse problema trouxe. No desenvolvimento da redação, nesse caso, o candidato precisaria apresentar o problema no primeiro parágrafo e depois explorar os efeitos no segundo. 

Como escrever a tese na redação do Enem 

E agora que você já sabe o que a tese da redação do Enem, já viu um exemplo e sabe quais são os tipos, vamos à algumas dicas de como desenvolver a sua. Confira: 

  1. Transforme o tema da redação em pergunta: esta é uma dica dada pelo prof. Eduardo, que diz que se você transformar o tema da redação em pergunta fica mais fácil tentar encontrar uma resposta, sendo que essa resposta poderá ser usada como sua tese. Por exemplo, no tema de 2019, sobre democratização do acesso ao cinema no Brasil, você poderia se perguntar: “Por que não existe democratização?”, e a resposta que você daria é sua tese.
  2. Esteja atento às notícias e desenvolva seu senso crítico: para conseguir desenvolver uma tese de redação é essencial que você tenha senso crítico sobre a temática proposta, ou ficará em um nível muito superficial de argumentação que pode prejudicar sua redação. Por isso, tente desenvolver seu senso crítico e, também, esteja atento às notícias porque elas podem ser uma boa fonte de argumentação.
  3. Treine os dois tipos de tese: o prof. Eduardo também dá essa dica ao falar sobre como é importante que o aluno treine os dois tipos de tese que apresentamos neste artigo. Isso porque existem temáticas que funcionam melhor com uma tese em síntese, porém existem temas que são mais bem desenvolvidos como causa e consequência. Mas quando você apenas é bom em um deles, pode ter problemas no desenvolvimento da redação.
  4. Estude a estrutura e a tese das redações que tiraram nota 1000: o exemplo que demos no início deste artigo é algo que você pode reproduzir com outras redações nota 1000 para tentar entender o que você pode aprender com elas. E nisso, nós podemos ajudá-lo na próxima seção deste conteúdo.

É preciso se posicionar! Saiba como fazer a tese da redação do Enem

Por que a tese da redação é importante no Enem 

A redação do Enem é corrigida por uma banca avaliadora formada por especialistas que não conversam entre si.  

Cada redação passa por dois desses avaliadores, que levam em conta cinco competências para corrigir o seu texto e atribuir uma nota.  

As competências foram estabelecidas na Matriz de Referência do Enem e ajudam os avaliadores a entender o nível de desempenho do candidato em cada aspecto da redação.  

Cada uma delas vale 200 pontos. Ou seja, se o candidato atender exatamente o que é avaliado pelas competências, ele pode ter uma redação nota 1000.

Confira quais são as competências:  

  • Competência 1: Domínio da escrita formal da língua portuguesa  
  • Competência 2: Compreender o tema e não fugir do que é proposto  
  • Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista  
  • Competência 4: Conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação  
  • Competência 5: Respeito aos direitos humanos  

A tese da redação é avaliada pelas competências 2 e 3. 

A segunda competência avalia as habilidades de leitura e escrita do candidato. No contexto, significa que o avaliador vai entender, a partir do que você escreveu, se você realmente entendeu o tema. 

Já a terceira competência fala sobre a coerência entre as ideias apresentadas no texto, o que mostra se você planejou o que iria escrever e fez um argumento conversar com o outro. 

Ambas as competências olham diretamente para a sua tese da redação, então entender como fazer uma boa tese pode ajudar a atingir um nível maior de desempenho. 

Exemplos de teses de redações nota 1000 do Enem 

Nós já destrinchamos um exemplo de tese da redação neste conteúdo, então agora é a sua vez de estudar através de redações nota 1000. 

Todos os anos, o Inep divulga os espelhos de redação para os candidatos e alguns veículos de informação reúnem as que conseguiram nota máxima. 

Os temas do Enem 2021 foram "Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil" na aplicação regular e digital e "Reconhecimento da contribuição das mulheres nas ciências da saúde no Brasil" na reaplicação, PPL e isentos em 2020. 

Você pode conferir todas as redações neste artigo do G1, mas nós vamos compartilhar algumas delas abaixo: 

sara fernandes paulista rosa redacao nota 1000

Trecho da redação nota 1000 de Sarah Fernandes Paulista Rosa (SP) 

Ser é ser percebido 

O clássico da literatura infantil inglesa "Oliver Twist" aborda as vivências daqueles marginalizados durante a Era Vitoriana e a forma como eram considerados invisíveis por não pertencerem à lógica social. Essa percepção sobre uma parcela considerável da população dialoga, analogamente, com a realidade atual de inúmeros brasileiros que não possuem acesso aos seus direitos civis por não apresentarem os registros primários necessários à inserção como cidadãos no próprio país. Dessa forma, torna-se notório que a garantia aos principais instrumentos de validação pessoal enfraquece problemáticas estruturais da totalidade tupiniquim, pois a invisibilidade não só fortalece a marginalização, como também mantém um ciclo de violações. 

É nesse contexto que a máxima do Empirismo Radical "Ser é ser percebido" reforça a urgência em ser considerado um cidadão, uma vez que a existência de um indivíduo diante do Estado ocorre substancialmente a partir do registro da certidão de nascimento, ou seja, esse é o meio de ser percebido como um agente social pela estrutura do país. Essa estrutura, segundo o antropólogo belga Claudé Levi-Strauss, representa o conjunto de padrões sociais nos quais a relações interpessoais estão ancoradas e, desse modo, determina o papel do sujeito na comunidade. Como o registro civil, para obter direitos no Brasil, é estrutural à lógica contemporânea, a individualidade só se faz presente por meio dos documentos oficiais, o que promove, portanto, a invisibilidade daqueles que não os possuem. 

Além disso, tal apagamento identitário mantém o agravamento da problemática presente entre as gerações de forma cíclica, pois pais invisíveis geram filhos invisíveis ao país. Como é preciso ser registrado para ter acesso aos princípios básicos para a manutenção da vida, os quais, de acordo com a consolidação dos direitos civis durante o iluminismo francês, são a propriedade, a liberdade e todos os aspectos que envolvem a vida, como educação e saúde, a garantia de acesso à cidadania representa um caminho para a valorização individual. Nesse cenário, a supressão da invisibilidade e, consequentemente, a percepção pessoal pela totalidade brasileira marcam o início do avanço social no país e afasta, por fim, da realidade analisada em "Oliver Twist", na qual as pessoas não eram reconhecidas como seres humanos por não serem percebidas. 

Há, portanto, a urgência de findar essa problemática notória na estrutura do Brasil. Cabe, então, ao ministério da Família e dos Direitos Humanos, responsável pelo encabeçamento da manutenção da seguridade social, promover, em parceria com prefeituras e subprefeituras, um aumento da eficácia de registro civil nos municípios. Essa ação irá ocorrer por meio de campanhas, as quais promoverão a conscientização sobre o acesso aos direitos civis, e documento da contratação de funcionários dos fóruns para agilizar o registro, principalmente, das certidões de nascimento. Dessa maneira, haverá a diminuição da marginalização de uma parcela populacional, seja ativamente pela garantia de acesso à cidadania, seja pelo rompimento do ciclo de invisibilidade. 

daiane souza redacao nota 1000

Trecho da redação nota 1000 de Daiane Souza (PB) 

A obra modernista "Vidas Secas", produzida por Graciliano Ramos, retrata a história de vulnerabilidade socioeconômica enfrentada por Fabiano e seus dois filhos, os quais eram chamados por seu pai de filho mais novo e mais velho, não possuindo seus nomes registrados durante o desenvolvimento do enredo. Ao sair do campo literário e fazer uma análise da atual conjuntura brasileira, nota-se ainda a invisibilidade associada ao acesso das pessoas ao registro civil, visto que tal problema é negligenciado por diversos segmentos sociais e políticos. A partir desse contexto, é fundamental entender o que motiva essa situação irregular de documentação e o principal impacto para a sociedade, a fim de que o acesso à Cidadania seja eficiente. 

Diante desse cenário, percebe-se que a invisibilidade acerca da questão do registro civil é motivada pela falta de uma política pública eficaz que regularize essa problemática. Isso ocorre, principalmente, porque, como já mencionado nos estudos da antropóloga Lilia Schwarcz, há a prática de uma política de eufemismos no Brasil, ou seja, determinados problemas tendem a ser suavizados e não recebem a visibilidade necessária. Sob essa ótica, é perceptível que o reduzido debate sobre a importância da certidão de nascimento e de outros documentos, bem como a baixa presença de estratégias para facilitar o acesso a pessoas de baixa renda dificultam a mudança dessa situação preocupante. Desse modo, enquanto a desinformação e a assistência precária se mantiverem, a procura pelo registro de nascimento será reduzida. 

Outrossim, convém pontuar que o principal efeito negativo disso é o afastamento desses grupos não registrados dos espaços públicos, em especial da escola e do mercado de trabalho. Tal situação é discutida no livro "A cidadania no Brasil: o longo caminho", do historiador José Murilo de Carvalho, ao sustentar que a desigualdade social impede a construção de uma sociedade mais justa e equitativa. Ao seguir essa linha de pensamento, à medida que o indivíduo não tem seus documentos regularizados, a possibilidade da inclusão no meio escolar e no laboral diminui, uma vez que tais papéis são pré-requisitos para se matricular e ser, posteriormente, contratado por uma empresa. A título de exemplo, o Brasil é o 9º país mais desigual do mundo, conforme o IBGE. Dessa maneira, observa-se como esse problema promove vulnerabilidade. 

Portanto, a invisibilidade associada ao registro civil no Brasil precisa ser revertida. Para isso, é fulcral que o Poder Executivo Federal, mais especificamente o Ministério da Cidadania, estimule ações estratégicas para ampliar o número de pessoas registradas oficialmente, principalmente nas comunidades pobres. Essa iniciativa ocorrerá por meio da implantação de um "Projeto Nacional de Incentivo à Formalização da Documentação Pessoal", o qual irá contar tanto com o aumento do envio de assistentes sociais para verificar a situação do registro nas residências. Isso será feito a fim de conter o impacto social desse problema e aumentar a cidadania. Afinal, casos como o do livro "Vidas Secas" precisam ser reduzidos. 

Conclusão 

Chegando ao final deste conteúdo, esperamos que o assunto da tese da redação tenha ficado claro para você e que você se sinta pronto para seu próximo Enem. 

Leia também: 

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.