Enem

Domine a regência nominal e verbal para arrasar na redação do Enem!

Por Redação   | 

 Tag: Enem

Conhecer as regras de regência nominal e verbal é importante para atender e conquistar uma boa nota na competência 1 da redação. 

Ter domínio sobre essa competência abre portas para boas notas. Isso porque ela é responsável por avaliar o conhecimento sobre a norma culta da língua portuguesa que o candidato tem. 

Então, continue conosco nesse conteúdo e confira um resumo completo da regência nominal e verbal. Aproveite a leitura!

Você vai conferir:

O que é a regência na gramática?
A diferença entre regência nominal e verbal
Como saber se a regência é nominal ou verbal?
Exemplos de regência nominal e verbal

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.

 

O que é a regência na gramática? 

A regência corresponde à relação de complementação estabelecida entre os termos da oração, ou seja, o termo regente e o termo regido. 

O termo regido é toda palavra que depende de outra para possuir sentido, enquanto o termo regente é a palavra subordinada ao termo regido. 

Além disso, a regência é dividida em duas classificações: a regência nominal (em que o termo regente é um nome) e a regência verbal (em que o termo regente é um verbo). 

Descubra abaixo mais informações sobre cada uma dessas classificações: 

Regência verbal 

A regência verbal é a relação estabelecida entre um verbo com seu complemento, a qual pode depender ou não do uso de uma preposição. Nesse caso, teríamos verbos transitivos subordinados a objetos diretos ou indiretos. 

Ademais, a regência verbal é utilizada para identificar se o verbo exige ou não um complemento. 

Verbos transitivos diretos 

Os verbos transitivos diretos são todos aqueles que necessitam de completo, mas sem utilização de uma preposição. Exemplo:

  • O mecânico realizou a troca dos pneus. 

Para identificá-los, é necessário analisar se o objeto é encontrado diretamente através da pergunta “o quê?”. 

Retornando ao exemplo acima, sabemos que o verbo “realizar” é direto, dado que ao perguntar o que o mecânico realizou, conseguimos objetivamente encontrar a resposta: a troca dos pneus.  

Verbos transitivos indiretos 

Enquanto os verbos transitivos diretos não precisam de preposições, os indiretos exigem o uso de complemento verbal com preposição. Exemplo: 

  • Minha mãe duvidou do meu elogio sobre o bolo. 

Nesse exemplo, o complemento do verbo é meu elogio sobre o bolo, enquanto “do” exerce sua função de preposição. 

Assim, o objeto desta oração é chamado de objeto indireto — enquanto na regência verbal acima, ele recebe o nome de objeto direto. 

Para identificar, troque a pergunta “o quê?” por “de quê”.

Verbos transitivos diretos e indiretos 

No caso dos verbos transitivos diretos e indiretos, o verbo é acompanhado por um objeto direito e um objeto indireto. Por exemplo: 

  • Agradeço ao público a presença.  

Nesse exemplo, há o agradecimento a alguém (ao público, objeto indireto) em relação a algo (a presença, objeto direto).

Regência nominal

A regência nominal é a relação estabelecida entre um nome (substantivo abstrato, advérbio ou adjetivo) e os termos regidos por esse nome. Essa relação sempre será intermediada por uma preposição. 

Além disso, o termo regente (o nome) da regência nominal é transitivo, exigindo um complemento. 

Veja abaixo exemplos de regências nominais para cada tipo: 

Substantivos 

  • Medo de; 
  • Devoção a/com/para/por; 
  • Respeito a/para com/com/por;
  • Admiração a/por. 

Adjetivos 

  • Nocivo a; 
  • Agradável a; 
  • Necessário a;
  • Equivalente a; 
  • Acostumado a/com. 

Advérbios 

  • Perto de; 
  • Longe de. 

Atenção: os advérbios que terminam em -mente seguem o regime dos adjetivos, ou seja, são seguidos da preposição “a”. 

A diferença entre regência nominal e verbal 

A principal diferença entre a regência nominal e verbal é a relação estabelecida entre os termos regente e regido, que pode ser composta por um verbo ou nome. 

Veja abaixo na tabela abaixo as principais diferenças:

  • Regência Verbal: relação estabelecida entre um verbo e seu complemento, que pode depender ou não do uso de uma preposição. As classificações são verbos transitivos diretos, verbos transitivos indiretos e verbos transitivos diretos e indiretos.
  • Regência nominal: relação estabelecida entre um nome e os termos regidos por esse nome. As classificações são substantivos, adjetivos e advérbios.

Como saber se a regência é nominal ou verbal? 

Para saber se é necessário utilizar a regência nominal ou verbal, o primeiro passo é descobrir se a frase precisa de um verbo ou nome. 

Assim, caso seja um verbo, identifique se este é transitivo (exige complemento) e, caso seja, se é direto ou indireto (sem ou com preposição). 

No caso da frase exigir um nome, basta apenas escolher o tipo mais adequado (substantivo, adjetivo ou advérbio) adicionando, em seguida, a preposição certa. 

E se você deseja dominar de uma vez a diferença entre regência nominal e verbal — se tornando capaz de aplicar corretamente esses complementos em seu texto — o ideal é realizar alguns exercícios sobre o assunto. 

E claro: pratique bastante, escrevendo uma redação por dia e colocando em prática todo o conhecimento adquirido sobre regência nominal.  

Qual a importância de dominar as regências nominal e verbal? 

A regência nominal e verbal são responsáveis por dar sentido a uma mensagem ou uma frase, fornecendo o completo certo que o verbo ou nome precisam.  

Além disso, ao dominar a aplicação da regência nominal e verbal, o estudante será capaz de empregar adequadamente as preposições, evitando ruídos na mensagem que está sendo transmitida. 

Na redação do Enem, esse domínio também impede o estudante de cometer erros em seu texto, capazes de reduzir (ou até mesmo zerar) a nota referente a competência 1, que avalia o conhecimento sobre a norma culta da língua portuguesa. 

Então, além de garantir mais sentido para os seus textos, dominar a regência nominal e verbal também pode te ajudar a conquistar uma boa nota da redação. 

Exemplos de regência nominal e verbal 

Separamos abaixo alguns exemplos de cada regência nominal e verbal, para te ajudar na hora de construir seu texto. 

Regência verbal não preposicionada 

  • abraçar;
  • beber; 
  • criar; 
  • decifrar; 
  • fazer; 
  • gastar;
  • honrar; 
  • justificar; 
  • lamentar; 
  • machucar. 

Regência verbal preposicionada 

  • assistir a; 
  • obedecer a; 
  • avisar a; 
  • agradar a; 
  • transformar em;
  • simpatizar com; 
  • convocar para; 
  • sonhar com; 
  • comparecer em; 
  • apaixonar-se por. 

Regência nominal 

  • favorável a; 
  • seguro de; 
  • livre de; 
  • compatível com;
  • interesse em; 
  • descontente com; 
  • idêntico a; 
  • pronto para; 
  • respeito por;
  • responsável por. 

Nota final 

Separe todos os exemplos e dicas fornecidas neste conteúdo e garanta o conhecimento necessário para construir um texto coerente e com sentido. 

Não deixe também de praticar toda semana para não apenas aumentar seu domínio sobre regência nominal e verbal, como também melhorar sua performance geral na redação. 

Continue evoluindo para, no dia da prova do Enem, possuir todas as habilidades necessárias para arrasar em todas as competências. 

Boa sorte! 

Gostou do artigo? Leia também:

  Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.