Mercado de Trabalho

Antifragilidade, a soft skill para se adaptar a momentos de crise

Por Mariana Bortoletti   | 

 Tag: Mercado de Trabalho

Vivemos em um mundo de volatilidade e incerteza, onde é preciso ser resiliente. Mas será que apenas isso basta? É aqui que entra a antifragilidade. 

Conceito criado pelo professor Nassim Nicholas Taleb, a antifragilidade é uma habilidade comportamental que vê na adversidade uma oportunidade de melhorar. 

Hoje, devido aos anos difíceis que passamos enquanto sociedade, a antifragilidade se tornou uma das soft skills mais valorizadas pelos RHs das empresas. 

Neste artigo, vamos conversar sobre o que é essa habilidade comportamental, como ela surgiu, quais são seu benefícios e como você pode desenvolvê-la. 

Você vai conferir:

O que é antifragilidade?
Como desenvolver a antifragilidade no dia a dia
Por que ser anti-frágil é uma vantagem em processos seletivos?
Como ser anti-frágil no ambiente de trabalho
Conclusão

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

O que é antifragilidade? 

A antifragilidade é uma teoria que nasceu do trabalho do professor líbano-americano, Nassim Nicholas Taleb. 

Docente no Instituto Politécnico da Universidade de Nova York, ele é um investidor do mercado financeiro e alguém que conhece de perto os desafios do mundo VUCA e BANI. 

Antes de desenvolver a teoria da antifragilidade, o professor já tinha explorado o assunto em dois livros: “Iludido pelo acaso: a influência oculta da sorte nos mercados e na vida” (2004) e “A lógica do Cisne Negro” (2007). 

O livro em que divulga sua teoria, “Anti-frágil: coisas que se beneficiam com o caos”, foi lançado em 2012.

Na obra, Nassim Nicholas Taleb define a antifragilidade como: 

  • Algumas coisas se beneficiam de choques; eles prosperam e crescem quando expostos à volatilidade, aleatoriedade, desordem e fatores estressantes e amam a aventura, o risco e a incerteza. No entanto, apesar da onipresença do fenômeno, não há palavra para o exato oposto de frágil. Vamos chamá-lo de antifrágil. A antifragilidade está além da resiliência ou robustez. O resiliente resiste a choques e permanece o mesmo; o antifrágil fica melhor. 

Ou seja, a antifragilidade é um termo que se refere à capacidade de uma pessoa de conseguir crescer em meio a situações adversas, justamente por conta delas. 

Ser anti-frágil, nesse sentido, é não apenas sobreviver a uma crise e sair vivo do outro lado da tormenta, mas perseverar e florescer. 

Ainda de acordo com o teórico, podemos entender melhor a vantagem da antifragilidade em comparação com outras características. 

Por exemplo, uma pessoa de comportamento “robusto” resiste à pressão por mais tempo, mas pode quebrar.

Aquele que é resiliente se adapta à pressão, mas volta ao seu habitual quando ela passa. 

Ao contrário dos anteriores, a pessoa que tem a habilidade da antifragilidade se adapta, se transforma e evolui. 

Como desenvolver a antifragilidade no dia a dia 

Segundo Nassim Nicholas Taleb, existem algumas atitudes que você pode seguir para começar a aplicar a antifragilidade no seu dia a dia. 

O autor apresenta essas atitudes como princípios básicos em seu livro. Ele diz que para ser anti-frágil, devemos: 

  • seguir regras simples; 
  • resistir a qualquer impulso de suprimir a aleatoriedade; 
  • certificar-nos de que estamos nos dedicando ao objetivo; 
  • experimentar correr riscos pequenos 
  • evitar correr aqueles riscos que colocam o objetivo em perigo; 
  • Impedir de sermos consumidos por dados; 
  • manter nossas opções abertas; 
  • concentrar mais em evitar o que não funciona do que em descobrir o que funciona; 
  • procurar hábitos e regras que existem há muito tempo. 

Como você pode ter percebido pela listagem de princípios, se tornar uma pessoa anti-frágil requer um poder de decisão certeiro e muita autonomia. 

Por isso, antes mesmo de começar a aplicar a antifragilidade, é interesse você se autoconhecer para entender se já possui essas competências comportamentais.

antifragilidade - o que é essa soft skill

Por que ser anti-frágil é uma vantagem em processos seletivos? 

Aplicar a antifragilidade no seu dia a dia trará o benefício de blindar você diante de situações caóticas e fará com que você navegue com maior facilidade pelas relações sociais. 

Porém, a maior vantagem de ser anti-frágil está no mercado de trabalho. 

Hoje, é comum que a resiliência esteja presente dentre as habilidades exigidas pelas vagas de emprego e seja uma observação feita pelo profissional de RH na entrevista. 

Mas a verdade é que, talvez tenhamos chegado em um momento em que a resiliência não é mais um diferencial, ela é o esperado. 

Logo, ser anti-frágil pode ser o seu diferencial. 

Isso porque é comum que as pessoas busquem evitar conflitos e crises porque a busca pelo caminho seguro e confiável é uma configuração de fábrica do ser humano. 

Como ser anti-frágil no ambiente de trabalho 

Agora que você já entendeu o que é a antifragilidade e como ela pode ser desenvolvida no dia a dia, que tal falarmos sobre aplicá-la no ambiente de trabalho? 

Como dissemos acima, ser anti-frágil é uma habilidade que pode trazer destaque em meio a ofertas que pedem por resiliência. 

Isso porque o instinto humano é buscar o conforto, mas o mercado e a economia tendem ao contrário. 

A preocupação com a antifragilidade é, inclusive, algo que está sendo buscado pelas empresas também. 

Segundo a futurista Sabina Deweik, o caminho para as organizações está em se organizar ao redor de oito pilares: confiança, diálogo, colaboração, empatia, diversidade, propósito, compromisso com o coletivo e adaptabilidade. 

E dentro desse cenário, o colaborador anti-frágil pode contribuir da seguinte forma: 

  • Buscar dar e receber feedbacks constantes e sempre de forma honesta; 
  • Não deixar de agir, mesmo temendo os erros que podem vir de situações de baixo risco; 
  • Jamais se sentir confiante ou confortável demais quando as coisas vão bem; 
  • Também não se sentir intimidado por qualquer ameaça de caos e instabilidade; 
  • Assimilar novos conhecimentos sobre os desafios vindouros; 
  • Aprender com a experiência de terceiros sempre que tiver a chance; 
  • Nunca deixar os problemas para depois, vê-los como fonte de aprendizado. 

Conclusão 

Esperamos que, ao chegar ao final deste conteúdo, você tenha entendido o que a antifragilidade e como aplicá-la no seu dia a dia e no ambiente de trabalho. 

Ser anti-frágil é crescer em meio às adversidades e essa é uma lição importante para quem está entrando no mercado de trabalho hoje em dia. 

Vivemos em um mundo incerto e volátil, onde empresas buscam pessoas preparadas para não apenas sobreviver, mas florescer. 

Por isso, a maior lição da antifragilidade é não evitar as situações adversas.

Adiar crises nunca é o caminho porque elas podem se mostrar ótimas oportunidades de crescimento. 

Porém, tome cuidado para não adentrar em uma situação caótica sem estar munido de responsabilidade, autoconsciência e inteligência emocional. 

A antifragilidade só vem quando o processo de construção esteve mergulhado em intencionalidade e noção de limites. 

Leia também: